Quarta-feira, 7 de Maio de 2008


Na minha jornada de 4 anos e meio como administrativa de contabilidade vim a conhecer uma parte da população ainda dita jovem, que se pode considerar analfabeta ou no mínimo com preguiça mental.
Não posso definir uma maioria entre os sexos, mas a quantidade de asneiras que ouvi ao longo destes anos foi tanta que felizmente fixei algumas que passo a relatar:

1º Um iogurte não é um iogurte , mas sim um iogordinho .

2º Escuras? O que é isso? Não não, tu estás é àdescuras .

3º quando pensas que estás desiludido enganas-te, estás mas é iludido.

4º pas de quoi " a ser usado em vez de parlapié ".

Para mal dos meus pecados, também ouvi provérbios com o que se pode chamar de colagens e mais uma vez o uso de material electrónico sem a leitura do belo Manual de Instruções.
Não sei até que ponto se pode admitir que pessoas nos seus 30 e poucos ou muitos anos, não saibam falar ou mesmo escrever e nem têm a noção das cartas mal escritas que me passaram pelas mãos. Até mesmo uma jovem de 34 anos que nem remeter uma carta ela sabia ou um senhor que não sabia a diferença entre remetente e destinatário.
Mais frustrante ainda foi ver que mulheres, divorciadas e mães de família não sabem absolutamente nada sobre ciclos menstruais , contraceptivos e ainda ... não saibam o que é um shot , um charro e que nas discotecas ninguém dança agarrado.
Acho que a diferença de idade não é assim tanta, visto que eu tenho 25 e estas pessoas nasceram no pós 25 de Abril. Pior, pessoas que tiveram instrução.
O pior mesmo é ver mentes paradas e estragadas, pessoas que deviam determinar um futuro a minha frente e que nada fazem, parecendo mesmo ainda estarem na época medieval em que se acreditava em tudo o que era dito nem que fosse pelo vizinho do lado. Pessoas que pela superstição não dão rumo às próprias vidas e ainda são manipuladas facilmente, por ditos amigos ou por videntes.
Vi ai há dias uma mãe de dois filhos, gastar o pouco dinheiro que tinha para a alimentação numa vidente. Vi também uma jovem mãe de 23 anos ser apanhada pela policia, conduzindo sem carta, uma mota sem seguro e ainda reclamar da pouca sorte que tinha. Mas qual sorte? Então e o cérebro serve para quê?
Já agora perguntam vocês onde estava eu metida?Realmente não sei mas tenho orgulho em não me deixar influenciar por estes seres catastróficos , pois tento aprender ao máximo e saber se aquilo que me foi ensinado é realmente o correcto e que em certos casos não o era.
Acho que já agora deveria ser lançada uma campanha intitulada de "Lê o papelinho", em que devia promover a leitura, não só de livros mas também de folhetos, publicidades e aquilo que eu mais gosto de salientar, o belo do manual de instruções.

Enfim, eu até era capaz de me lembrar de mais mas por esta altura já tenho é muito sono e o cérebro recusa-se a funcionar.

Como vossa amiga digo-vos, toca a ler o papelinho, qualquer um não importa, nem que seja o rotulo da garrafa de água .Para que pensam que que aquilo foi posto lá? para decorar?

sinto-me tipo papelinho
música a do papelinho

publicado por sashablog às 00:39 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De complicadinha a 7 de Maio de 2008 às 14:51
Eh eh eh!!!
O saco encheu, e agora rebentou!
... acho mesmo que é preguiça, estamos cada vez mais preguiçosos, acomodados... enfim...


Comentar post

Só mais alguns...
mais sobre mim
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Brisa Fresca

Umbigos de metro e oitent...

News from algarve

Coisas de Natal

Tatto

Que desnaturada...

I'm Back (great news)

O meu lugar ao sol

Sem Férias

O visitante do 3º andar

arquivos

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

80's

a

alien sono

amor

anos

aprende

arte

axim

bebe

boxe

cala-te

campanha

carpe diem

casamentos

cegonha de paris

chupa-me

criança

de

desesperadas

dois

dotado

é a millllllliii

emoção

falhas

feliz

gelo

gordo

jane oli

jovial

lê o papelinho

mafarrica

maldição

moni

muda

multí coloré

nada

nariz vermelho

news

old

on carvon

papelinho

peixe

quim

revolta das chicas

rugas

rules

sardines

saudade

tatto

to be

toca

toni

tres

um

vamos dançar

velho

vida

wop

world press photo

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds